Mais de 6 mil empresas podem fechar as portas no Piauí por conta da pandemia

Os dados foram apresentados nesta terça-feira (07) pelo presidente do Centro das Indústrias do Estado do Piauí (CIEPI), Andrade Júnior, durante entrevista ao “Acorda Piauí”, na rádio Cidade Verde.
créditos: cidadeverde.com

 

Cerca de 6 mil empresas no Piauí devem fechar as portas ou precisar de suporte financeiro de programas governamentais ou bancos para funcionar depois da pandemia. Os dados foram apresentados nesta terça-feira (07) pelo presidente do Centro das Indústrias do Estado do Piauí (CIEPI), Andrade Júnior, durante entrevista ao “Acorda Piauí”, na rádio Cidade Verde.

De acordo com o empresário, em todo o Brasil, 600 mil Industrias deverão depender de ajuda ou suporte externo para superar os efeitos da pandemia.

"No Piauí, a estimativa é que 6300 empresas fechem as portas ou precisem recorrer a suporte financeiro para manter o funcionamento. Em janeiro e fevereiro, o índice de confiança do empresário industrial nos deixava bastante esperançosos com o ano de 2020. Quando foi no mês de maio, esse índice baixou para uma média histórica, que denota um pessimismo no setor", disse.

Retomada

O setor da indústria foi um dos setores autorizados a retomar as atividades de forma gradual em Teresina. Na primeira etapa, as empresas terão que atuar com efetivo reduzido de colaboradores, além de seguirem uma série de recomendações emitidas pela Prefeitura de Teresina, como a obrigatoriedade do uso de equipamentos de proteção individual, como máscaras e álcool em gel.

Andrade Júnior demonstrou otimismo, ao falar da retomada das atividades. Segundo ele, Teresina não deve voltar a fechar a economia, pois os setores estão preparados para atender aos protocolos estabelecidos pelo poder público.

"A gente não acredita mais em um retrocesso, no fechamento das atividades que estão reabrindo. Acreditamos que não tem volta, exatamente porque estamos conscientes de como fazer, de como nos proteger", afirmou o presidente do CIEPI.

 

 

 


COLUNISTA
Eudes Martins
COMPARTILHE O LINK DA MATÉRIA